A era do Rádio

O rádio foi o principal veículo de comunicação de massa do Brasil entre 1930 e o início da década de 1960

Aspectos históricos da linguagem do rádio e da TV brasileira na

Naquela época não existia televisão, computadores e telefone celular. As notícias demoravam a chegar. Quem podia lia jornais, porém quase dois terços da população do Brasil era analfabeta. Poucos conheciam o disco, e só ouviam músicas quando tocada ao vivo. Afinal a indústria fonográfica engatinhava.

De volta à era do rádio – Comunicação, Esporte e Cultura

A chegada do rádio mudou totalmente essa situação de isolamento. Por meio desse aparelho, milhões de pessoas tiveram acesso a notícia, músicas rádionovelas, programas humorísticos, esportivos e variedades. Tudo numa velocidade jamais imaginada. Cantores e compositores encantavam multidões de norte a sul. Mulheres de todas as cidades acompanhavam as radionovelas. As conversas foram enriquecidas por informações que chegavam pelas ondas de rádio.

História do Radio: LEMBRANÇAS DA ERA DO RÁDIO

As pessoas se sentiam integradas, tinham um repertório comum de notícias, músicas, fantasias. O rádio criou moda, estimulou debates, transmitiu informações, reduziu a distâncias entre pessoas, entre países. E se mostrou um poderoso instrumento de propaganda política. As emissoras de rádio foram financiadas, em sua maioria pelos produtos de empresa norte- americanas que começaram a chegar Para os consumidor brasileiro.

Há 80 anos, A Hora do Brasil chegava ao rádio | Local: Diario de Pernambuco

Eram os novos produtos industrializado, como sabonete, cremes dentais, a coca cola e a aspirina. Para que os brasileiros fossem atraídos para essas novidades, contrataram empresas de publicidade dos Estados Unidos, que investiram nas emissoras comerciais financiando programas inteiros. O rádio foi um instrumento fundamental de mudanças de mentalidade-e do domínio da indústria cultural norte americana no Brasil.

A emissora mais importante no Brasil e que se tornaria modelo para as outras, foi a rádio nacional, do Rio de Janeiro.

Rádio Nacional entra no ar no Rio de Janeiro – efemérides do éfemello

DRAMATURGIA

A dramaturgia era um dos maiores e mais movimentados departamentos das emissoras de rádio. Todos os dias, milhares de pessoas acompanhavam as novelas, as histórias de mistério e de suspense, as peças de teatro e até programas de informações científicas pelo rádio.

As novelas nas ondas do rádio | Novelas, Rádio, Historia do radio

Atores, atrizes, produtores, escritores, sonoplastas, músicos, técnicos, todos colaboravam para atrair os ouvintes, estimular sua imaginação e emoções e encantar o público.

PROGRAMA HUMORÍSTICO

O programa de humor da "PRK-30" nos anos 1950 | Portal Memória Paranaense
O programa de humor da “PRK-30

O rádio tem um papel fundamental no cenário cômico do país. O primeiro registro que se tem de um programa humorístico periódico é do “A Cascatinha do Genaro”, transmitido na Rádio São Paulo, e apresentado pelo personagem por Zé Fidellis, de Gino Cortopassi. Ao longo do tempo foram surgindo outros, como “As Aventuras de Nhô Tonico”, “As Aventuras da Vila Arrelia”, “Chiquinho, Chicote e Chicória” e “Escolinha de Dona Olinda”, apresentado por Vittal Fernandes, um ícone do humor no rádio. Entre os mais famosos, estão “Balança mais não cai”, que se passava em um edifício, e “PRK 30”, com Lauro Borges e Castro Barbosa, que, numa suposta rádio pirata, faziam graça com outras transmissões radiofônicas e acontecimentos da época.

Você moraria em um prédio que não lhe cobrasse aluguel, nem condomínio, nem IPTU? Nem água, nem esgoto? Que prédio é esse? Está interessado? Então venha comigo! Vamos conhecer o Edifício Balança. Mas cai!

Na década de 40, apareceram as transmissões com Chico Anísio e Renato Murse e, em 1942, estreiou o “Cassino do Chacrinha”. O humor foi mudando no rádio e muito do que havia no veículo foi levado para a televisão.

JORNALISMO

Memorial da Democracia - A era do rádio

 Dois noticiários radiofônicos serviram de modelo para a transmissão de notícias nas rádios brasileiras a partir da década de 1940. A emissora mais importante do país, a Rádio Nacional, era a responsável pelo “Repórter Esso”.

Repórter Esso, no rádio e na TV | Acervo

Na Rádio Tupi de São Paulo, as notícias chegavam pelo “Grande Jornal Falado Tupi”. Retransmitidos por outras emissoras do país, esses programas chegavam a milhões de ouvintes.

MÚSICA

O rádio permitia aos ouvintes ouvir os grandes intérpretes e acompanhar os lançamentos que se multiplicavam, entre eles os sucessos de Noel Rosa, Cármen Miranda, Orlando Silva, Sílvio Caldas, Mário Reis, Francisco Alves, Lamartine Babo, Ari Barroso, Dircinha Batista, Dorival Caymmi e muitos outros.

CBN - Cem anos do samba - Na década de 1930, o samba conquista o rádio

A principais emissoras da época — como a Rádio Nacional, a Tupi e a Mayrink Veiga — contavam com elencos exclusivos de cantores e músicos. Dentre os programas de maior audiência durante o primeiro governo de Getúlio Vargas, destacam-se “Curiosidades Musicais”, “Um Milhão de Melodias”, “Instantâneos Sonoros Brasileiros” e “Vida Pitoresca e Musical dos Compositores”. Os programas de calouros, como “Calouros em Desfile” e “A Hora do Pato”, atraíam milhões de ouvintes.

POLÍTICA

O rádio foi o primeiro veículo de comunicação a chegar às residências e aos locais de trabalho. Por causa de seu enorme impacto no dia a dia dos brasileiros, Getúlio impôs o controle das informações transmitidas pelo rádio durante o Estado Novo.

85 anos da Pioneira, Ceará Rádio Clube (PARTE-3) | Rádio Clube 1200

Nem tudo podia ser dito, e a forma de dar a notícia também era pensada com cuidado, para evitar que a voz da oposição chegasse aos brasileiros. Interesses políticos e comerciais sempre interferiram nos meios de comunicação.

QUEM FAZ O RÁDIO

Era do Rádio – Wikipédia, a enciclopédia livre

A implantação das emissoras de rádio no Brasil abriu um novo mercado de trabalho. As estações de rádio necessitavam de profissionais para exercer as mais variadas funções: cantores, atrizes, escritores, cantoras, músicos, atores, compositores.

História do Rádio no Brasil | Click Estudante

Por trás dos ídolos, existia um exército de profissionais que trabalhava duramente para levar sonhos, notícias, transmissões esportivas e até aulas de ginástica para os ouvintes. Eram os produtores, escritores, profissionais responsáveis pelos efeitos sonoros, compositores, publicitários, eletricistas e outros técnicos, que trabalhavam dia e noite para cativar e fidelizar os ouvintes.

TECNOLOGIA

Colorize Media | O Audiovisual é a nossa paixão

O rádio foi o primeiro grande veículo de comunicação de massa a entrar na casa dos brasileiros. Para que isso acontecesse, foi preciso desenvolver um grande aparato tecnológico, cuja estrutura pudesse transmitir, até os receptores — na casa ou no trabalho dos ouvintes —, as ondas sonoras de onde os programas eram produzidos. Durante a primeira metade do século 20, o rádio evoluiu a tal ponto que notícias, sons, programas, eventos e histórias passaram a circular rapidamente por todo o planeta. O mundo parecia cada vez menor.

 ANÚNCIOS

Em 1932, Getúlio editou decreto permitindo a veiculação de propaganda nas rádios. Nessa mesma época, as primeiras agências de publicidade – norte-americanas, em sua maioria – estavam se instalando no país. Como em seu país de origem, elas usavam o rádio para divulgar produtos como sabonetes, cremes dentais, remédios, produtos para o lar, alimentos, refrigerantes e bebidas em geral.

Logo, a queda no preço dos aparelhos receptores de rádio permitiu a mais famílias adquirir o produto. A audiência cresceu vertiginosamente. As emissoras passaram a dar mais atenção a esse novo público consumidor — muitas vezes formado por analfabetos — que se reunia em torno do rádio. Os programas procuravam agradar aos ouvintes, e as agências de publicidade investiam pesado, não só para vender seus produtos, mas também para difundir para os brasileiros nos valores e no modo de vida norte-americano.

ADALBERTO DAY: - Antigamente "Era Assim" em Blumenau

PROGRAMAS NAS RÁDIOS

O primeiro programa da rádio comercial do Brasil foi ao ar em 1932. Era o “Programa Casé”, que durava quatro horas, transmitidos aos domingos, às 20h, na Rádio Philips, produzido e narrado por Ademar Casé.

Programa Casé – Rádio Batuta

O programa apresentava ao público a nova música brasileira da época. Participaram do programa artistas como Noel Rosa, Braguinha, Sílvio Caldas e o cartunista e compositor Nássara — autor do primeiro jingle do Brasil, o da padaria Bragança.

As verbas dos “reclames” (como os comerciais eram chamados na época) financiaram radionovelas, programas musicais, esportivos, de humor, de auditório.

A Rádio Nacional e a era de ouro | Acervo O rádio virou o grande veículo de comunicação de massa entre os anos 1930 e 1960. Seus programas moldaram o pensamento dos brasileiros, papel que a televisão assumiria a partir de 1960. Num país tão grande, diverso e formado por pessoas sem acesso à educação formal, como o Brasil, a integração passou pelas ondas do rádio.

Fonte:

http://memorialdademocracia.com.br/assets/img/brand-memorial-da-democracia

 

CURIOSIDADES SOBRE A ERA DO RÁDIO

Ademar Casé (o último sentado a partir da esquerda) e músicos que participavam do “Programa Casé”, em 1932. Entre eles, Noel Rosa (o segundo em pé) e Pixinguinha (o quarto)

ARQUIVO MARCELO BONAVIDES - Estrelas que nunca se Apagam - : ADEMAR CASÉ - 117 ANOS (SEU PROGRAMA E SEUS ARTISTAS)

– As primeiras experiências em radiodifusão no Brasil foram feitas em 1892 pelo padre gaúcho Roberto Landell de Moura, em Campinas, São Paulo.

– A primeira transmissão radiofônica nacional ocorreu em 7 de setembro de 1922, durante uma exposição comemorativa pelos 100 anos da Proclamação da Independência. O então presidente Epitácio Pessoa foi o primeiro a testar o sistema e realizou um discurso veiculado por 80 alto-falantes.

Primeira transmissão de rádio no Brasil, RankBrasil - Recordes Brasileiros

– Em 1º de março de 1932, Getúlio Vargas assinou um decreto-lei permitindo a veiculação de propaganda pelo rádio.

– Roquette Pinto e Henry Morize fundaram a primeira rádio do país em abril de 1923. Ela se chamava Sociedade do Rio de Janeiro.

O “pai do rádio brasileiro” foi Edgard Roquete Pinto. Ele e Henry Morize fundaram em 20 de abril de 1923, a primeira estação de rádio brasileira: Rádio Sociedade do Rio de Janeiro

– “A Voz do Brasil” foi instituída em 1935 e, 3 anos depois, passou a ser transmitida em rede nacional. No início, além dos pronunciamentos de Getúlio Vargas e de seus aliados políticos, o programa também apresentava cantores populares. A abertura da ópera “Guarani”, de Carlos Gomes, servia de vinheta do programa.

Criado o programa de rádio “A Hora do Brasil”

– A primeira rádio-novela foi ao ar em 1941 pela Rádio Nacional. Chamava-se “Em Busca da Felicidade”, escrita pelo cubano Leandro Blanco e patrocinada pelo creme dental Colgate.

– O noticiário “Repórter Esso” fez sua estreia em 1941, transmitido pela Rádio Nacional, do Rio de Janeiro, e pela Rádio Record, de São Paulo.

– O locutor era Heron Rodrigues. Foi o primeiro noticiário de rádio que fazia mais que apenas ler o jornal impresso.

Testemunha ocular da História', 'Repórter Esso' fez sucesso no rádio e na TV | Acervo

– Os dois bordões que ficaram mais famosos foram “O primeiro a dar as últimas” e “Testemunha ocular da história”. Parou de ir ao ar em 31 de dezembro de 1968, com o locutor às lágrimas se despedindo do público.

– Na década de 1940 veio a popularidade acompanhada da criação do IBOPE. A audiência era crescente e os programas eram feitos para as massas.

A História do Rádio no Brasil – Globo Repórter 1983 – Programa Completo 

 

Deixe um comentário

Por favor digite o seu comentário
Por favor digite seu nome