ENVELHECER – ARNALDO ANTUNES

 

Envelhecer

Texo de Sueli Fajardo

Assistindo ao vídeo “Envelhecer”, música de Arnaldo Antunes, resolvi escrever algo sobre o envelhecer.
Sabemos que envelhecer significa tornar-se velho que, por sua vez, significa algo (alguém?) ” que existe há muito tempo ou tem mais idade.” (Wikcionário).
E ainda, segundo os dicionários virtuais e não-virtuais, pejorativamente: antigo, antiquado, desatualizado, caquético.
É engraçado, até trágico, quando se trata de um mundo tecnicamente envelhecido, como envelhecer pode trazer, em si mesmo, o paradoxo do bom e do ruim.
Isso porque vivemos numa sociedade consumista, egocêntrica, egoísta, preconceituosa e lamentavelmente excludente. Não há dúvida de que todos esses contra-valores estão globalizados, pelo menos no Ocidente.
O que não se entendeu ainda é que, apesar das limitações que ocorrem com o envelhecimento das células, há muitas coisas importantes que somente com o tempo vamos compreendendo.
Envelhecer, assim como qualquer fase da vida, implica em continuar a aprender,  em se desenvolver intelectual e espiritualmente, com a vantagem de se ter acumulado, ao longo dos anos, com as experiências próprias e as observadas, ou seja, a dos outros, não somente conhecimento, mas também sabedoria.
Tornar-se velho é diferente. Não é necessário envelhecer. Tornar-se velho em nada implica em ter mais idade, no entanto, assinala-se notadamente a velhice em pessoas cuja a alma está sobrecarregada de desespero, mágoa, inveja, tristeza, ódio, rabugice, pessimismo.
Saber envelhecer é, antes de tudo, uma necessidade para quem quer viver melhor. É reconhecer que teve a chance de viver por mais tempo e, portanto, a responsabilidade de aprender mais, de servir mais e, ao mesmo tempo, o privilégio de ter saboreado, por mais tempo, a vida.
As pessoas não deixam de ser interessantes porque envelhecem fisicamente. Deixam de ser interessantes, quando perdem-se de si mesmas e deixam envelhecer o sorriso, o olhar, as aspirações, os desejos, os sonhos, as realizações, o amor. E isso pode acontecer em qualquer idade.
“Bendito seja eu por tudo o que não sei
gozo tudo isso como quem sabe que há o sol”
(Fernando Pessoa)

Arnaldo Antunes – Envelhecer

ENVELHECER

Arnaldo Antunes

Composição: Arnaldo Antunes / Marcelo Jeneci / Ortinho

A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer
A barba vai descendo e os cabelos vão caindo pra cabeça aparecer
Os filhos vão crescendo e o tempo vai dizendo que agora é pra valer
Os outros vão morrendo e a gente aprendendo a esquecer

Não quero morrer pois quero ver
Como será que deve ser envelhecer
Eu quero é viver pra ver qual é
E dizer venha pra o que vai acontecer

Eu quero que o tapete voe
No meio da sala de estar
Eu quero que a panela de pressão pressione
E que a pia comece a pingar
Eu quero que a sirene soe
E me faça levantar do sofá
Eu quero pôr Rita Pavone
No ringtone do meu celular
Eu quero estar no meio do ciclone
Pra poder aproveitar
E quando eu esquecer meu próprio nome
Que me chamem de velho gagá

Pois ser eternamente adolescente nada é mais demodé
Com uns ralos fios de cabelo sobre a testa que não para de crescer
Não sei por que essa gente vira a cara pro presente e esquece de aprender
Que felizmente ou infelizmente sempre o tempo vai correr

Não quero morrer pois quero ver
Como será que deve ser envelhecer
Eu quero é viver pra ver qual é
E dizer venha pra o que vai acontecer

Eu quero que o tapete voe
No meio da sala de estar
Eu quero que a panela de pressão pressione
E que a pia comece a pingar
Eu quero que a sirene soe
E me faça levantar do sofá
Eu quero pôr Rita Pavone
No ringtone do meu celular
Eu quero estar no meio do ciclone
Pra poder aproveitar
E quando eu esquecer meu próprio nome
Que me chamem de velho gagá.

 

Deixe um comentário

Por favor digite o seu comentário
Por favor digite seu nome