NOEL ROSA

Noel de Medeiros Rosa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1910 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1937). Compositor, violonista, intérprete. Filho de Manuel de Medeiros Rosa e Marta de Azevedo, nasce em 11 de dezembro de 1910. O parto difícil exige o uso de fórceps, fato que lhe provoca problemas permanentes no maxilar.

Cresce em Vila Isabel, bairro carioca de classe média. É alfabetizado pela mãe, professora, com quem também aprende a tocar bandolim e, com o pai, violão. Ingressa na escola regular e se forma em 1928. Em 1931 entra na faculdade de medicina, mas abandona o curso no ano seguinte, pois é incompatível com a carreira artística em evolução.

Bando de Tangarás(Noel Rosa,Almirante e Braguinha)-Vamos Fallá do Norte

A única imagem do Noel Rosa em movimento. Almirante é quem está cantando.João de Barro , o Braguinha é o que está sentado.

A vida artística começa no conjunto amador Flor do Tempo, que se transforma em Bando dos Tangarás (1929), formado, entre outros, por João de Barro e Almirante, seu primeiro biógrafo. Para o conjunto, compõe e grava. Ao mesmo tempo começa a frequentar com assiduidade a boêmia de Vila Isabel e da Lapa. Em 1930 inicia a carreira individual com a gravação e o sucesso de Com que Roupa?. No ano seguinte começa a compor de maneira sistemática e em quantidade, como as canções Cordiais Saudações, Quem Dá Mais? e Gago Apaixonado, sendo que algumas delas acabam utilizadas no teatro musicado.

O relativo sucesso individual e com o conjunto colaboram para a assinatura de contratos com algumas emissoras de rádio. Em 1932 é contratado pela Rádio Philips como contrarregra no programa do Casé, apresentando-se também como cantor. A partir desse momento seu universo profissional e artístico se expande, revelando-se nas várias parcerias (Lamartine Babo, Ismael Silva, Orestes Barbosa, Francisco Alves) e nas excursões por São Paulo e sul do Brasil. Nesse contexto conhece Vadico, com quem estabelece marcante parceria, iniciada com Feitio de Oração (1933) seguida por Pra que Mentir (1934), Feitiço da Vila (1934) e Conversa de Botequim (1935).

O ano de 1933 dá início a um período criativo e produtivo, com dezenas de canções gravadas por ele e outros intérpretes, tais como Positivismo (com Orestes Barbosa), O Orvalho Vem Caindo, Três Apitos, Não Tem Tradução, Filosofia (com André Filho), entre outras. É nesse ano também que ocorre a conhecida polêmica com o compositor Wilson Batista que redunda em canções como Rapaz Folgado (1933), Feitiço da Vila, Palpite Infeliz (1935).

Noel Rosa - Filosofia (vídeo e letra) | Filosofia, Noel rosa e Noel

Uma fase repleta de problemas se inicia em 1934. Apesar da reconhecida paixão por Ceci, nesse ano casa-se com Lindaura, grávida, que perde a criança. Mesmo apresentando sintomas de tuberculose e casado, continua no mesmo ritmo de boêmia e de trabalho, gravando e compondo bastante para o rádio e teatro musicado. No ano seguinte é obrigado a viajar para Belo Horizonte com o objetivo de curar a doença. Enfraquecido, em 1936, faz poucas músicas, entre elas Você Vai se Quiser Xis do Problema

Noel Rosa, última foto em vida / Jornal A Noite / Acervo João Máximo e  Carlos Didier | Cantadas engraçadas, Mpb, Samba
Noel Rosa, ultima foto em vida.

Mesmo com o agravamento da doença, em 1937 ele compõe Pra que Mentir e O Último DesejoNo início desse ano viaja novamente em tratamento para as cidades fluminenses de Nova Friburgo e depois Barra do Piraí, onde passa mal. É obrigado a retornar com urgência para a capital e morre no dia 4 de maio de 1937.

Assistam o Filme completo

“Noel Poeta da Vila”

Show completo de 2007, gravado no Teatro Gacemss, em Volta Redon – RJ

“NOEL ROSA, 70 ANOS DE SAUDADES”

Em 2007, como Secretário Municipal de Cultura de Volta Redonda resolvi fazer um grande show para homenagear os 70 anos da sua morte. O show com o nome: “NOEL ROSA, 70 ANOS DE SAUDADES”. Foi um grande sucesso! Tivemos a felicidade de reunir uma grande qualidade de cantores e músicos de Volta Redonda e fizemos um maravilhoso e emocionante show, reproduzido em vários locais da cidade e gravado no Teatro Gacemss.
Estamos apresentando esse vídeo no nosso blog. Espero que vocês gostem e divulguem à vontade, pois a nossa intenção sempre foi e será divulgar esse artista maravilhoso que nos contemplou, em pouco tempo de vida , com mais de 229 composições. 

Bom show! Viva a nossa música popular brasileira.

MÚSICOS

Ailton(Percussão)

Armando Bandeira (sopro)

Guerra (violão)

Luiz Miranda (bandolim)

Júlio (flauta)

Miguel (cavaquinho)

Paulinho (violão 7 cordas

Pessoa (pandeiro)

José Reis (acordeon)

Rodrigo Guerra (caixa)

CANTORES

Delair

Fernando

Manoel

Melissa Guerra

Sandra

Soninha Renna

Tatiana

Tilinha

 

 

Deixe um comentário

Por favor digite o seu comentário
Por favor digite seu nome