Vamos mostrar aqui vídeos e histórias dos nossos maravilhosos sambistas.

https://www.uol.com.br/

Samba – História do Samba

*Heidi Strecker

 Esse Ritmo é o mais famoso Brasil, “Quem não gosta de samba bom sujeito não é/ é ruim da cabeça ou doente do pé.” Com certeza, o compositor Dorival Caymmi expressou uma grande verdade quando compôs essa música, que se chama “Samba da minha terra”. O samba faz parte da vida de muitos brasileiros, tornando-a mais divertida e alegre.

Mas como surgiu esse gênero musical tão característico da nossa terra?

O samba faz parte da vida de muitos brasileiros, tornando-a mais divertida e alegre. Mas como surgiu esse gênero musical tão característico da nossa terra? O samba de roda é um ritmo da tradição afro-brasileira e está associado a uma dança parecida com a capoeira. Formando um círculo, algumas pessoas tocam pandeiro, viola, atabaque, berimbau e chocalho, além de cantarem e baterem palmas. No interior dessa roda formada pelos músicos, outras pessoas gingam, rodopiam, fazem evoluções.

Contam que o samba de roda nasceu nos terreiros de candomblé. E, tendo chegado da África, imagine em que local do Brasil o samba acabou se firmando? Negro no coração, Há uma música do poeta Vinícius de Moraes em que ele diz: “O samba nasceu lá na Bahia, se hoje ele é branco na poesia, ele é negro demais no coração.” Isso não é só poesia, mas também história. O samba de roda nasceu no Recôncavo Baiano, que é uma região do estado da Bahia formada por mais de trinta municípios, contornando a Baía de Todos os Santos.

Para participar do samba de roda, você tem que ter um jogo de corpo e um jogo de cena. Ele começa devagarzinho, com movimentos suaves dos braços e das pernas e vai se tornando mais forte, mais cadenciado, até se transformar num grande requebrado.                              A partir de 2005, o samba de roda tornou-se um Patrimônio da Humanidade, um título concedido pela Unesco (órgão da Organização das Nações Unidas) para as mais autênticas manifestações culturais.

O samba no Rio de Janeiro                                                   O samba de roda foi uma das bases para o samba carioca. Mas essa é uma história comprida. Antigamente, qualquer manifestação rítmica dos negros escravos era chamada de batuque. Com o tempo, este foi se transformando em outras formas musicais, como o lundu e o maxixe, até se tornar o que conhecemos hoje como samba.

Esse processo, contudo, não aconteceu de forma pacífica. Houve uma época em que era proibido sambar! Os locais de samba, no século 19, eram muito mal vistos, considerados perigosos, sujos, verdadeiros “locais de perdição”. Na verdade, o preconceito contra os negros estava por trás desse modo de ver as coisas.

A abolição da escravidão só aconteceu em 1888. A partir daí,o samba começou a ser visto com outros olhos e muitos brancos passaram a aderir a sua cadência irresistível, nas primeiras décadas do século 20. Merece destaque, nesse caso, o compositor branco Noel Rosa, que fez uma verdadeira crônica do seu tempo através de sambas bem-humorados, que refletem o temperamento alegre do brasileiro.

Esse processo, contudo, não aconteceu de forma pacífica. Houve uma época em que era proibido sambar! Os locais de samba, no século 19, eram muito mal vistos, considerados perigosos, sujos, verdadeiros “locais de perdição”. Na verdade, o preconceito contra os negros estava por trás desse modo de ver as coisas.

A abolição da escravidão só aconteceu em 1888. A partir daí,o samba começou a ser visto com outros olhos e muitos brancos passaram a aderir a sua cadência irresistível, nas primeiras décadas do século 20. Merece destaque, nesse caso, o compositor branco Noel Rosa, que fez uma verdadeira crônica do seu tempo através de sambas bem-humorados, que refletem o temperamento alegre do brasileiro.

O samba pioneiro “Pelo telefone”, composição de Donga datada de 1916, é considerado o primeiro samba brasileiro, por substituir o maxixe. Nessa época, já se podiam gravar as músicas em discos. Na mesma ocasião, surgiram muitos compositores de grande talento, como Pixinguinha, João da Baiana, Sinhô e Heitor dos Prazeres. O samba foi tomando uma expressão urbana e moderna. Começou a ser tocado nas rádios, se espalhou pelos morros cariocas e nos bairros da zona sul, conquistando um público de classe média também. Mais tarde, em meados do século 20, Dorival Caymmi e João Gilberto deram uma nuance sofisticada para o samba, misturando-o com outras influências musicais.

Hoje o samba tem mil outras formas como a gafieira, o pagode, o samba enredo (que é o samba do carnaval), o samba de breque, o samba-canção, o samba-rock, o partido alto e muito mais.

*Heidi Strecker, é filósofa e educadora

Muito bom:

Uma história do samba – Parte 1,2 e 3

 

Uma história do samba – Parte 4

 

 

Deixe um comentário

Por favor digite o seu comentário
Por favor digite seu nome